Subscribe to RSS feeds

sábado, 6 de novembro de 2010

MUSEU e CINEMA na IRLANDA

James Joyce (1882 - 1941)

Se você pensa que dia chuvoso, ventania gelada e chuva, muita chuva, é motivo para  ficar em casa na Irlanda, está muito enganado.
Dublin, a capital oferece enorme atividade cultural pela cidade, e visitar ontem, o Centro Cultural James Joyce , foi no mínimo curioso, uma viagem ao passado, deste mais famoso escritor irlandês de todos os tempos.

Autor de Ulisses, considerada a obra que inaugura o romance moderno e uma das mais importantes da literatura ocidental. De família católica, recebeu em Dublin uma rígida formação com padres jesuítas, contra a qual mais tarde se rebela. Em 1902, vai a Paris estudar Medicina, mas abandona o curso para dedicar-se à Literatura. No ano seguinte volta a Dublin e, em seguida, muda-se para Zurique e depois para Trieste, onde se sustenta dando aulas de inglês. Suas primeiras experiências literárias são conservadoras, marcadas pela influência do realismo de Ibsen e pelos simbolistas. É o caso dos poemas de Chamber Music (1907), seu primeiro livro.

 
Em 1914, sai a coletânea de contos Dublinenses e, em 1916, Retrato do Artista quando Jovem, reminiscências de sua infância e adolescência em Dublin e que já adianta procedimentos desenvolvidos na obra Ulisses . Esta obra é publicada em 1922, na França. A ação do livro passa-se em um único dia, 16 de junho de 1904, em Dublin. Seus personagens, Stephen Dedalus, Leopold Bloom e Molly Bloom, enfrentam situações correspondentes aos episódios da Odisséia, de Homero. Nessa obra, Joyce reinventa a linguagem e a sintaxe. Radicaliza a linguagem narrativa, explorando processos de associação de imagens e recursos verbais, paródias estilísticas e o fluxo da consciência. Também incorpora teorias da psicanálise freudiana sobre o comportamento sexual. O livro é proibido no Reino Unido e nos Estados Unidos, onde só é liberado em 1936. Joyce sofre seguidas cirurgias em razão de problemas na visão. Sua última obra é Finnegans Wake (1939), na qual leva às últimas conseqüências as inovações estéticas e lingüísticas apresentadas em Ulisses.






















O Centro cultural fica à rua: 35, North Great George, em uma casa que foi construída em 1784, por Valentim Brown.A casa foi restaurada em 1980 e desde 1996 abriga o Museu em homenagem a este escritor irlandês. A biblioteca contém muitas traduções das obras de Joyce e os visitantes podem ler e  sentar para apreciar momentos de paz, calma e atmosfera histórica do local. Exposições permanentes mostram e esclarecem vários momentos da vida de Joyce


Aberto de terça à sábado, das 10 da manhã às 5 da tarde e domingos do meio dia às 5 da tarde. os ingressos para adultos estão a 5 euros e estudantes 4 euros. 
para maiores informações e detalhes visite o web site em:

Depois fui novamente ao cinema aqui em Dublin, no Cineworld
que é considerado o maior cinema da Irlanda, e que fica à Parnell Street. O cinema foi aberto em 1995 e era chamado de Virgin Cinemas. Em 2005 passou a ser chamado de Cineworld , depois de ser comprado por uma empresa do Reino Unido. 
















Fui assistir a Lenda dos Guardiães em 3D. Roteiro fraco, com efeitos especiais surpreendentes. E só.



2 comentários:

Rodolfo Collin disse...

Muito legal o post, já consigo ter uma idéia do que poderei fazer nos momentos de descanso!!! :)

Wagner, DUBLIN disse...

Rodolfo, essa é a melhor parte de se morar em uma cidade histórica e cultural...seja bem-vindo..wagner.