Subscribe to RSS feeds

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

MARLEY, EU e a IRLANDA


Foi um sinal...tenho certeza!!!...Hoje fui ver, "Marley & Eu", no cinema, filme em cartaz desde o Natal 2008...não estava curioso pra ver...mas como estava chovendo muito aqui em Paris, (Nome carinhoso, para Aparecida, onde moro) e eu estava com aquela fominha por um delicioso "Mc Donald"... sai de casa correndo e fui ver o filme. Não é que sai da sala de cinema em prantos??? Fui o ultimo, tamanho rosto inchado...por 2 motivos: estou no impasse de como resolver o problema com os meus 2 cachorrinhos (gostaria muito de colocá-los na mala e levar pra Irlanda) mas não dá..ainda não e não tenho com quem deixá-los...minha família não curte cachorros e ainda não sei como resolver isto. O outro motivo, foi uma sequência do filme, em que o casal principal, vai de férias..imagina pra onde?...IRLANDA...eu vi as cenas e pensei comigo mesmo: estarei ai em breve...muito breve...maravilhosas as locações do filme.

resenha:
John e Jenny haviam acabado de se casar. Eles eram jovens e apaixonados, vivendo em uma pequena e perfeita casa e nenhuma preocupação. Jenny queria testar seu talento materno antes de enveredar pelo caminho da gravidez. Ela temia não ter vindo com esse 'dom' no DNA, justamente porque matara uma planta, presente do marido, por excesso de cuidado - afogando-a. Então, eles decidiram ter um mascote. Vão a uma fazenda, escolhem Marley, ao tomar contato com uma ninhada, porque também ficam encantados com a doçura da mãe, Lily; só depois têm uma rápida visão do pai, Sammy Boy, um cão rabugento, mal-encarado e bagunceiro. Rezam para que Marley tenha puxado à mãe, porém suas 'preces' não são atendidas. A vida daquela família nunca mais seria a mesma. Marley rapidamente cresceu e se tornou um gigantesco e atrapalhado labrador de 44 kg, um cão como nenhum outro. Ele arrebentava portas por medo de trovões, rompia paredes de compensado, babava nas visitas, apanhava roupas de varais vizinhos, e comia praticamente tudo que via pela frente, incluindo tecidos de sofás e jóias. As escolas de adestramento não funcionaram - Marley foi expulso por ter ridicularizado a treinadora. Mas, acima de tudo, o coração de Marley era puro. Da mesma forma que ele recusava alegremente qualquer limite ao seu comportamento, seu amor e lealdade também eram ilimitados. Marley repartia o contentamento do casal em sua primeira gravidez e sua decepção quando sobreveio o aborto. Ele estava lá quando os bebês finalmente chegaram e quando os gritos de uma adolescente de dezessete anos cortaram a noite ao ser esfaqueada. Marley 'fechou' uma praia pública e conseguiu arranjar um papel num filme de longa-metragem, sempre conquistando corações ao mesmo tempo em que bagunçava a vida de todo mundo. Por todo esse tempo, ele continuou firme, um modelo de devoção, mesmo quando sua família estava quase enlouquecendo. Eles aprenderam que o amor incondicional pode vir de várias maneiras.


fonte: lojas americanas

1 comentários:

K∂riиє* disse...

Vi seu blog atraves de outro blog,o "mundo a fora" e como moro aqui na Irlanda sempre fico curiosa em saber sobre a opiniao de outras pessoas na mesma situacao...Bem descobri que voce ainda nao esta por aqui,entao...vim te desejar sorte e uma boa Viagem !

Beijos