Subscribe to RSS feeds

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

OSCAR WILDE



Assisti ontem, a mais nova refilmagem do clássico de Oscar Wilde, O retrato de Dorian Gray.
O Filme baseado no livro de Wilde conta a história do belíssimo e corrompido jovem Dorian Gray, que nunca envelhece nem mostra no rosto as marcas dos seus atos imorais. Publicado originalmente em 1890, como uma crítica à cultura vitoriana, o romance tornou-se um clássico e não perde sua atualidade.
Na nova versão, o eternamente lindo Dorian Gray é interpretado por Ben Barnes (“As Crônicas de Nárnia: Príncipe Caspian”) e Colin Firth (“O Diário de Bridget Jones”, “Mamma Mia!”) dá vida ao Lorde Henry Wotton, o aristocrata que corrompe Gray.
Dorian Gray é um rapaz belíssimo da alta sociedade. Ele posa para um amigo que é pintor: Basil Hallward. O retrato fica belíssimo e ao vê-lo Dorian exprime o desejo de que o quadro pudesse envelhecer e ele continuar eternamente com seu rosto jovem. Mal sabe ele que seu desejo é atendido e que sua vida sofrerá muitas mudanças.
Com as influências do amigo sarcástico, Lorde Henry, Dorian se torna egoísta, devasso e mau. No entanto, seu rosto continua com os traços angelicais dos seus 18 anos. Da boca do personagem Lorde Henry ,percebemos como Oscar Wilde via a vida: o autor declara em seu prefácio que "Vício e virtude representam para o artista a matéria prima da sua arte".
O início do Filme se arrasta. Os diálogos, pensamentos e sentimentos das personagens são longos e profundos. Não há muita ação. Quando Dorian descobre que seu desejo foi atendido e o retrato está se transformando, o filme ganha mais ação. A descoberta do quadro é um momento suprime. Só ao ver estampado na pintura todas suas experiências de vida, Dorian percebe tudo o que fez na vida. Seus questionamentos são longos e Oscar Wilde descreve seus traços psicológicos de forma muito elaborada: seus conflitos, desejos, sua visão de mundo.
É um filme que nos faz pensar sobre a juventude, o valor da beleza na sociedade, a vaidade e o caráter das pessoas. Vale a pena superar o início lento do filme para chegar ao final, que, claro, não vou contar. Abaixo o link para baixar o filme:

2 comentários:

Petite Mélange disse...

Oscar Wilde é o meu escrito preferido...*__*
Ah tenho q assistir...\o
acho q ainda não tem no brasil..¬¬..AFF, país atrazado é foda kkkk tô brincando..
To seguindo seu blog \o

Wagner, DUBLIN disse...

Obrigado...vc pode baixar o filme da Internet Petite...o link ta anexado...bom filme...wagner.